Artigos

Sobre economia solidária e autogestão

Em 2003, Paul Singer participa de Seminário Internacional do Núcleo de Economia Solidária e da Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares da USP, em uma mesa com Luis Coraggio, Fernando Haddad e Sylvia Leser de Mello. Sua intervenção foi, depois, editada e publicada em Singer, Paul, Introdução. In: Sylvia Leser (org).  Economia solidária e autogestão: encontros internacionais, NESOL-USP; ITCP-USP       2005. p. 9-16.     - ISBN 85.86759.02.3

Os Caminhoneiros e o Ajuste Fiscal

Artigo de Paul Singer publicado no Jornal da Tarde em 6 de agosto de 1999 traz boas reflexões para compreender eventos que de tempos em tempos ressurgem na cena nacional. Naquele ano a greve de caminhoneiros parou o país e ganhou forte adesão popular.

Reportagem de Paul Singer sobre a Greve dos Metalúrgicos de 1953

Aos 21 anos de idade, Paul Singer publicou uma reportagem completa sobre a Greve dos Metalúrgicos, a qual ele mesmo participava como membro da categoria, em três números da Folha Socialista. O documento raro está disponível para consulta no Centro de Documentação e Memória da Unesp (CEDEM/UNESP). O registro já deixa clara a atitude que Singer manteve ao longo de toda a sua vida de distância das posições autoritárias e profunda admiração pelo "espírito de dedicação e altruísmo dos elementos mais simples da classe operária", não deixando de ressaltar a "ação comovente" das 16 mulheres que pararam antes, obrigando seus 300 colegas homens a fazerem o mesmo e do "rapazinho de apenas 18 anos que levou todos os meninos à greve". “Esta greve, pela extensão que alcançou e pela sua importância toda especial na atual situação política e social em que vivemos, deve ser cuidadosamente estudada por todo militante e simpatizante do partido, e para este estudo pretendemos oferecer o material proporcionado pela nossa experiência pessoal no setor metalúrgico.”

É POSSÍVEL LEVAR O DESENVOLVIMENTO A COMUNIDADES POBRES?

Neste artigo, escrito em 2011, Singer define: Desenvolvimento comunitário significa o desenvolvimento de todos seus membros conjuntamente, unidos pela ajuda mútua e pela posse coletiva de certos meios essenciais de produção ou distribuição. Conforme a preferência dos membros, muitos ou todos podem preservar a autonomia de produtores individuais ou familiares. Mas, os grandes meios de produção – silos ou armazéns, frotas de veículos, edificações e equipamentos para processamento industrial, redes de distribuição de energia etc. – têm de ser coletivos, pois se forem privados a comunidade se dividirá em classes sociais distintas e a classe proprietária explorará a não proprietária.