Artigos

Reportagem de Paul Singer sobre a Greve dos Metalúrgicos de 1953

Aos 21 anos de idade, Paul Singer publicou uma reportagem completa sobre a Greve dos Metalúrgicos, a qual ele mesmo participava como membro da categoria, em três números da Folha Socialista. O documento raro está disponível para consulta no Centro de Documentação e Memória da Unesp (CEDEM/UNESP). O registro já deixa clara a atitude que Singer manteve ao longo de toda a sua vida de distância das posições autoritárias e profunda admiração pelo "espírito de dedicação e altruísmo dos elementos mais simples da classe operária", não deixando de ressaltar a "ação comovente" das 16 mulheres que pararam antes, obrigando seus 300 colegas homens a fazerem o mesmo e do "rapazinho de apenas 18 anos que levou todos os meninos à greve". “Esta greve, pela extensão que alcançou e pela sua importância toda especial na atual situação política e social em que vivemos, deve ser cuidadosamente estudada por todo militante e simpatizante do partido, e para este estudo pretendemos oferecer o material proporcionado pela nossa experiência pessoal no setor metalúrgico.”

É POSSÍVEL LEVAR O DESENVOLVIMENTO A COMUNIDADES POBRES?

Neste artigo, escrito em 2011, Singer define: Desenvolvimento comunitário significa o desenvolvimento de todos seus membros conjuntamente, unidos pela ajuda mútua e pela posse coletiva de certos meios essenciais de produção ou distribuição. Conforme a preferência dos membros, muitos ou todos podem preservar a autonomia de produtores individuais ou familiares. Mas, os grandes meios de produção – silos ou armazéns, frotas de veículos, edificações e equipamentos para processamento industrial, redes de distribuição de energia etc. – têm de ser coletivos, pois se forem privados a comunidade se dividirá em classes sociais distintas e a classe proprietária explorará a não proprietária.

DESENVOLVIMENTO COMUNITÁRIO

Neste artigo, de 2011, Singer afirma: Por causa da falta de tudo, sobretudo de dinheiro, os pobres desenvolvem hábitos de solidariedade e ajuda mútua, que são praticados muitas vezes em associações. Há muito mais comunidade onde reina a carência do que nos bairros ricos e de classe média. Nestes últimos reina o individualismo, as pessoas pouco precisam umas das outras. Entre os pobres, a necessidade de lutar para obter escola, posto de saúde, água encanada etc. une as pessoas e esta união encerra um importante potencial de desenvolvimento da comunidade como um todo. Portanto, desenvolvimento comunitário aplica-se a vizinhanças, bairros rurais e cidades em que predomina a pobreza. Desenvolvimento significa a melhoria da qualidade de vida, a satisfação das necessidades por meio de renda ganha por trabalho decente. Ele pode se dar por indução externa – um investimento duma multinacional ou dum governo – ou por iniciativas da própria comunidade. Quando o desenvolvimento resulta de projetos concebidos e executados pela comunidade, ele é considerado comunitário. Ou solidário, pois o que move a comunidade e faz com que todos os seus membros participem e se beneficiem do desenvolvimento é a solidariedade.

Os grilos falantes e os políticos profissionais

"O combate à corrupção deve ter duas frentes: uma é o desenvolvimento da consciência política do povão, derivado das lutas por mais e melhores serviços públicos para a maioria dos que não têm dinheiro para compra-los no mercado; a outra, é a reforma política que não  pode ser o voto distrital (que magnífica a representação dos que têm maioria apenas simples à custa da exclusão total dos minoritários.)"